Convênio

Obstetra Centro Curitiba

Ginecologia e Obstetrícia
CRM-PR 31988 - CRM-SP 93960

ENDEREÇO

Rua: Emiliano Perneta, 680 - sala 601 - 6º andar

CEP 804210-080 - Centro - Curitiba - PR

DRA. TÂNIA ANDRADE DECOUSSAU MACHADO

Com o super atendimento e cuidados, posso dizer que renasci e ganhei o maior e melhor presente do mundo.
Dra. Tania, extremamente profissional e carinhosa, proporcionou em meu parto, a tranquilidade, confiança e carinho.
Pelo fato de tratar de uma hipertensão, a minha filha veio ao mundo prematura, 36 semanas de gestação; super saudável.
Gostaria mais uma vez parabenizar o profissionalismo, cuidado e confiança que nos transmitiu. Você foi é excepcional em nossas vidas, a teremos guardada e reconhecida para o resto de nossas vidas.

Danielle Gomes da Silva

O momento mais esperado da gestação é o nascimento. E foi nessa importante fase da minha vida que conheci essa incrível profissional. Quando cheguei ao Pronto Atendimento estava muito insegura e com medo, mas tive sorte de encontrar a Dra Tânia que foi muito atenciosa e me acalmou. Sou eternamente grata por você ter me proporcionado um parto tão tranquilo. Admiro muito sua competência, paciência e amor com todas as suas pacientes.

Pamela Janeczko

   Foi na madrugada do dia 18 de março de 2018 que conheci a Dra Tânia, no momento mais intenso da minha vida. Numa conversa rápida (devido às circunstâncias) mas com muito profissionalismo e empatia, tive a chance de expor o meu plano de parto que desejei a gravidez inteira. O plano de parto que eu tinha em mente era da forma mais natural possível, e ela não só escutou como respeitou e me encorajou! Eu estava com contrações regulares de 5/5 minutos, com 7cm de dilatação, mas bem, vamos começar do início:

    Meu trabalho de parto iniciou no sábado pela manhã.Quando acordei o tampão mucoso havia saído, meu coração acelerou e falei para o meu marido Matheus: é hoje, o trabalho de parto se iniciou!

    Mantive a calma, fui ao mercado fazer compras, fiz o almoço e logo após o almoço senti a primeira contração.Como tinha lido muito sobre o parto natural, eu sabia que tinha um longo caminho pela frente, portanto sem desespero e sem anunciar a mais ninguém segui o dia normalmente: fomos ao chá de bebê de um casal de amigos, e foi lá, por volta das 15 hr que senti as primeiras contrações irregulares. Após o chá, jantamos com a família e as contrações já estavam mais intensas mas continuavam irregulares. Voltamos para casa cedo, pedi para o meu marido descansar e fui para a bola de pilates, onde repeti todos os exercícios que já fazia diariamente nas duas últimas semanas.

    A partir das 22:30 hr as contrações finalmente ficaram regulares de 10/10 minutos com duração de 40 segundos. Meia-noite acordei o Matheus para irmos à   Maternidade. Ele acordou sem acreditar que se tornaria pai naquele dia. Talvez porque eu estava tranquila, sem fazer alarme. Só me concentrava em anotar o horário e a duração de cada contração e quando a dor passava conversava com a Betina, encorajava ela e ao mesmo tempo me encorajava também.Repetia várias vezes que tudo daria certo, que seria o momento mais lindo e especial para nós três!

    Chegamos na Maternidade Nossa Senhora das Graças por volta de meia-noite e meia, as contrações aumentaram e a dor também.

    Fui atendida pela dra Tânia que me examinou e internou. Ela me deixou a vontade na partolândia.      Eu optei por ficar na bola de pilates em baixo do chuveiro, meu marido esteve ao meu lado o tempo todo, participou muito do parto. Não lembro exatamente o horário mas sei que passava das 2 horas da manhã quando minha bolsa desceu inteira e eu a segurei com as duas mãos e o Matheus chamou a dra Tânia.

    Naquele momento começou o período expulsivo.

Tive várias contrações seguidas, muita vontade de fazer força e não tenho a menor idéia de quanto tempo durou o meu período expulsivo. A Dra. falou de algo em torno de 40 minutos.

    Fazia força, achava que as coisas não estavam progredindo, mas ouvia palavras de alento que foram essenciais nesse momento. A Dra e a enfermeira repetiam o tempo todo que eu estava quase lá, que tudo estava perfeito, que o bebê estava descendo, que o parto estava progredindo bem. Parte do meu cérebro achava que aquilo era só para me animar, mas todo o resto do meu corpo acreditava naquilo com uma voracidade incrível.E assim segui fazendo força, blasfemando contra as mulheres que disseram que o expulsivo não doía tanto e, de repente, "blop".

    Às 4:16hr Betina nasceu, meu sonho se realizou da forma mais natural e emocionante que eu podia imaginar!

    A primeira coisa que vi foi seus olhinhos me procurando. Peguei-a no colo e algo muito mágico aconteceu. Eu sempre tive a certeza de que minha primeira sensação quando visse seria de estranhamento e, segundo li, isso é absolutamente natural. Ocorre que quando olhei para os olhinhos dela tive um sentimento de familariedade que me impressionou completamente: foi como se eu já a conhecesse há muito, muito tempo! Senti tanta intimidade com aquela criaturinha e só me lembrei de dizer: "viu, filha, a gente conseguiu. Eu sabia que a gente iria conseguir".
    Sim, porque estou absolutamente convencida de que, sem a ajuda da minha filha, eu não teria conseguido. Ela foi uma pequena guerreira.

    O Matheus cortou o cordão umbilical e acompanhou a pediatra para os exames.

    Ficamos eu e a Dra Tânia na sala e enquanto ela finalizava o parto conversamos como velhas conhecidas!

    Se privar do prazer de parir é o maior crime que uma mulher pode cometer contra si própria. É a dor mais libertadora que existe no mundo.Eu jamais seria hipócrita e dizer que parir sem anestesia não dói.

    Dói sim! Mas é a dor mais prazerosa que existe, mais transformadora.Clichês à parte, dar à luz a um filho de forma natural, fisiológica, sem nenhum tipo de intervenção, é uma força tão transformadora que equivale a nascer novamente. Desde o meu parto me sinto tão poderosa, tão forte, tão mulher, segura e determinada que quase mais nada me amedronta e me sinto pronta para viver de verdade.

Betina nasceu às 4:16 hr do dia 18 de março de 2018 na Maternidade Nossa Senhora das Graças com 2950g, 47cm. Nesse dia também nasceu uma nova Fábia, que se descobriu uma mâe desvelada, completamente apaixonada por esse papel tão absurdamente convencional e, ao mesmo tempo, incrivelmente fascinante.


Obrigada dra Tânia e equipe por tornar real esse sonho!"

Fábia Regiane de Oliveira Salgado de Araújo